Como o coronavírus está mudando estratégias publicitárias

Algumas empresas tiraram campanhas do ar, outras liberaram serviços pagos para a população

 

O surto do novo coronavírus pegou o mundo de surpresa, contaminando mais de 335 mil pessoas ao redor do mundo e matando mais de 13 mil infectados até o momento. Os números são alarmantes e obrigaram os países a declarar quarentena em diversas cidades, tentando ao máximo privar a circulação de pessoas pelas ruas, prevenindo uma contaminação em massa.

Além de evitar aglomerações desnecessárias, é importante seguir algumas recomendações de higiene que impedem a circulação do vírus, como lavar sempre as mãos e evitar contato direto com as pessoas. Na tentativa de conscientizar a população, empresas tiraram do ar propagandas que incentivavam de alguma forma a violação das ações recomendadas pela Organização Mundial da Saúde.

É o exemplo da Hershey, que desvinculou da televisão o informe publicitário que mostrava pessoas se abraçando ou apertando as mãos. A marca substituiu a propaganda por vídeos que focam mais nos produtos. Uma marca de cerveja estadunidense, Coors Light, que havia lançado uma série de anúncios baseado no seu novo produto, “A cerveja mundial do Home Office”, retirou a campanha do ar para evitar que a marca fosse mal interpretada num momento tão sensível mundialmente.

Na tentativa de estimular o isolamento social, empresas brasileiras e mundiais como Globo, Folha e Amazon estão liberando seus conteúdos pagos para livre acesso do público. Os jornais O Globo e Folha autorizaram não assinantes a lerem todas as reportagens que trazem informações sobre a pandemia. A Amazon deixou disponível vários títulos de livros para a leitura gratuita e a GloboPlay está aberta para que a população brasileira consuma alguns de seus conteúdos.

Em tempos de crise, saber posicionar sua empresa de forma coerente e solidária garante humanidade para a marca. Saber quais empresas buscam o bem-estar acima do lucro traz o público para mais perto e mantém a relevância mesmo com as instabilidades do mercado.

Quer começar? Entre em contato pelo e-mail contato@getreze.com ou clique aqui.